27 DE OUTUBRO



O sacrifício de louvor 

“Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor...” 

Hebreus 13:15 

    Parece paradoxal falar sobre o sacrifício de louvor. Sacrifício implica dor, sofrimento e morte. Louvor, por outro lado, é associado à alegria, celebração e música. Um olhar mais atento ao conceito bíblico consagrado nesta frase, no entanto, produz duas perspectivas que nos ajudam a elucidar seu significado. 

    O conceito de sacrifício é desenvolvido e abraçado pelo Antigo Testamento. O nosso santo Deus não podia tolerar o pecado e, portanto, o homem, o pecador, não podia entrar em Sua presença. Sacrifício era o meio de acesso e, assim, tornou-se parte integrante da adoração. 

     As coisas mudaram com a vinda de Jesus e Sua morte na Cruz. Cristo Ofereceu-se de uma vez por todas como um eterno e sacrifício suficiente negando a necessidade de sacrifícios de animais. Este é o ato que celebramos quando participamos da Ceia do Senhor. Nós desfrutamos de livre e arrojado acesso ao próprio Santo dos Santos por causa da morte de Cristo. Nós mesmos e a nossa expressão de louvor, são aceites por causa do sacrifício de Jesus. 

    Há momentos em nossas vidas quando não sentimos vontade de adorar. Doença, depressão e provações nos derrubam e nos tentam recuar para o silêncio soturno. No entanto, quando chegamos a perceber que as “tribulações” são apenas temporárias e que Deus em Sua graça nos prometeu vencer, a vitória e alegria eterna, podemos nos aproximar de Deus em fé e derramar nossos corações à Ele. O gracioso Espírito Santo nos move, e por isso somos capazes, às vezes de bom grado, às vezes em lágrimas, de oferecer sacrifícios de louvor. 

    Enquanto nos debatemos durante nossa estada aqui na terra, o louvor é às vezes difícil, mas é o nosso “dever e culto sagrado” e portanto, deve ser realizado como uma disciplina na simples obediência a Deus. 

Reflexão: Já teve períodos em que não queria orar, quanto mais louvar a Deus? Experimente a disciplina envolvida no “Sacrifício” de louvor. 

Abe Ninan 

 Traduzido por Haniel Passos Eller

Revisto por Lilian Calaim